Orientação e reflexão sobre a Covid-19


Uma orientação e reflexão sobre a COVID-19

 

Queridos irmãos em Cristo Jesus, que a Graça e a Paz de Nosso Senhor Jesus esteja conosco nesses momentos turbulentos que o mundo atravessa e em especial em nossa pátria. Estamos sendo assolados por uma doença que tem nos desafiado, mas com a graça e a misericórdia de Deus nosso pai, teremos paz em meio a tempestade!

Diante disso e pensando na qualidade de vida de nossos irmãos crentes em Jesus, acho importante nosso povo estar informado para que possam se defender de informações não precisas que tem circulado em nosso meio, principalmente através das chamadas mídias sociais.

Um crente informado e consciente de seu dever, mesmo diante das lutas, não pode deixar de lado o caráter cristão e principalmente a missão de ser luz do mundo, trazendo uma palavra de paz do evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo e por que não, orientações seguras sobre a pandemia, digamos de passagem, palavras tão necessárias nos dias atuais. Para ser mais didático formulei algumas perguntas que considero essenciais ao tema e construí o texto baseado nelas. Procurei não complicar simplificando a linguagem, evitando quando possível termos biológicos e técnicos.

 

 

O que é um vírus? O que é o coronavírus?

Queridos irmãos, um vírus é um microrganismo que é estruturalmente inferior à uma célula, ou seja sequer possui célula. Trata-se de uma estrutura que é composta por um fragmento de ácido nucléico pode ser DNA ou RNA, envolvido por uma cápsula externa de proteínas. Traduzindo um pacote (envelope) de proteínas, com pedaços de DNA ou RNA dentro. Eles tecnicamente não são seres vivos, e no meio ambiente podem existir (persistir) por períodos variados desde alguns minutos até dias. Nem sempre o fazem, mas podem invadir nossas células conectando-se primeiramente a membrana de nossas células, quando atravessam a membrana e introduzem o seu material genético em nossas células. Aí está o problema, pois esse material genético viral irá alterar o funcionamento de nossas células, causando a morte das nossas células, tecidos e órgãos, podendo nos levar a morte. É o que ocorre com as células de nosso sistema respiratório por exemplo, quando são infectadas pelo coronavírus (SARS-CoV-2).

Existem 7 (sete) tipos de coronavírus conhecidos que infectam o ser humano (HCoVs), entre eles podemos citar o SARS-COV (que causa síndrome respiratória aguda grave), o MERS-COV (síndrome respiratória do Oriente Médio) e o SARS-CoV-2 (vírus que causa a doença COVID-19). Todos eles muito similares em seu material genético que é composto por RNA (ácido Ribonucleico).

 

 

Como os vírus surgem?

Queridos, os vírus surgem das células dos seres vivos. Todos os elementos constituintes dos vírus, estão presentes em células animais e também vegetais. Os vírus utilizam o mecanismos de replicação das células e fazem cópias de seus ácidos nucléicos e sintetizam proteínas de seus capsídeos.

 

Digamos que, quando as nossas células fazem seu trabalho diário de funcionamento, eles são copiados e produzidos juntos. Imagine também que quando uma célula morre ela pode liberar essas partículas de ácidos nucléicos e proteínas, que podem compor um novo vírus. Isso pode ocorrer em células de humanos, animais e até células vegetais. Eles não são construídos em laboratório. Entretanto, não se exclui a possibilidade de se produzir um vírus em laboratório por humanos, o que não parece ser o caso do coronavírus.

No caso do SARS-CoV-2 eles infectaram algumas espécies de morcegos na Ásia, onde sofreram mutações, sendo depois transmitido a outros animais e finalmente ao homem. Portanto, trata- se de uma zoonose, ou seja uma doença transmitida ao homem através de animais. Como ocorre com outras doenças que conhecemos: a raiva, a toxoplasmose, a febre amarela e outras. Por isso, vacinamos nossos animais domésticos para que não transmitam esses e outros agentes infecciosos a nós. Nesse caso, esse contágio se deu através contato de animais silvestres com o ser humano, que sempre foi um grande perigo.

 

 

O coronavírus foi produzido em laboratório?

Não há qualquer indício que isto tenha ocorrido. Pelo contrário, todos os estudos realizados até o momento indicam que o vírus SARS-CoV-2 (vírus que causa a doença COVID-19) veio de outro coronavírus já existente, através de mutações (erros que ocorrem quando copiados dentro das células). O RNA do SARS-CoV-2 já foi estudado e não há indícios de utilização de ferramentas moleculares no sentido de alterar o seu material genético, isso deixaria uma espécie de “vestígio” que os cientistas identificariam facilmente. O coronavírus SARS-CoV-2 é um vírus natural até que se prove o contrário.

 

 

O coronavírus pode ficar quanto tempo numa superfície?

Isso depende. Estudos científicos revelam uma variação de períodos de persistência do vírus em diferentes superfícies. Já foi testado em laboratório a persistência do vírus em superfícies como: o metal, plástico, papel, vidro e outros tipos de superfícies, e o tempo de persistência variou de algumas horas até 9 dias (em média). Essa variação depende da quantidade de vírus na superfície e das condições do ambiente. Por isso, a alta capacidade de transmissão do coronavírus. Diferentes superfícies contaminadas podem ser a forma de contaminação para inúmeras pessoas. Daí a importância do uso do álcool 70% para higienizar superfícies e mãos.

 

 

Qual a forma de contágio do coronavírus?

A principal forma de contato é através de pequenas partículas chamadas de aerossóis e de secreções liberadas pelo nosso organismo, contendo o vírus. Durante a tosse, por exemplo, a saliva pode ser expelida a grande distância em aerossóis e pode ser aspirada ou contaminar a mucosa da boca e dos olhos de outra pessoa. Essa é a principal forma de contágio.

 

Outros estudos identificaram o vírus presente em diferentes secreções do corpo humano como fezes, urina e sêmen. Então, as medidas de higiene pessoal, também estão ligadas a transmissão do vírus. O contato entre mãos e objetos e depois das mãos na boca e olhos é outra forma frequente de contágio.

Claro que a forma de contágio pode variar de acordo com o nível de contato social de um grupo e de suas condições de higiene.

 

 

Existe medicamento para o vírus?

Aqui eu vou ser bem direto para não haver margem de dúvidas. Ainda não há medicamentos nem vacinas para o SARS-CoV-2 (vírus que causa a doença COVID-19).

Penso que o desespero, a incapacidade humana e nossas limitações de lidar com essa doença cause em nós a necessidade de acreditarmos em algo para a cura ou algo que amenize o sofrimento humano. Quero dizer que infelizmente não há.

A ciência possui suas limitações (que é a experimentação) e não vai ser rápido a descoberta de um tratamento. Se por um lado não devemos endeusar a ciência (e não devemos mesmo), também não podemos renegá-la. Deus usará a ciência e os cientistas para nos trazer a cura dessa doença. Ele é o Senhor de todas as coisas. Tudo é d’Ele. Deus é soberano e assim ele tem agido ao longo da história da humanidade.

Outro aspecto que quero mencionar é que médicos não são cientistas e cientistas não são médicos. Embora em alguns casos isso possa ser verdadeiro. O conhecimento que a medicina possui até antes do surgimento da COVID-19 são pregressos (do passado) e não são suficientes para a nova doença que nos atinge. Estamos aprendendo juntos. Os cientistas pesquisam em laboratório e posteriormente se os resultados forem satisfatórios (de acordo com o método científico), a medicina passa a utilizar esse conhecimento na clínica com pacientes. Portanto, um profissional da saúde nem sempre possui informações recentes e adequadas sobre a doença COVID-19. E isso tem confundido muitos hoje em dia, quando algumas pessoas da área da saúde fazem afirmações sem ainda as respostas de pesquisas que ainda estão em andamento. A população comum tende a tratar essas informações como científicas, pelo fato de terem vindo de um profissional da saúde. Fica parecendo que a ciência tem afirmado coisas contraditórias. Na verdade ela tem sido insuficiente até agora, para uma resposta rápida para a cura.

O que há são inúmeras drogas sendo testadas. Primeiro elas são testadas in vitro, ou seja em laboratório, e depois in vivo, ou seja com testes clínicos em animais e depois em humanos. Muitas drogas tem relativo sucesso in vitro, mas não possuem bons resultados in vivo, principalmente em testes clínicos que envolvam grandes grupos de pessoas que tomam a droga, e outros que tomam placebo (falso medicamento). Há vários grupos de pesquisadores no mundo estudando diferentes drogas para o tratamento da COVID-19, inclusive no Brasil. Os resultados destes testes clínicos são demorados e estão sendo liberados gradualmente em publicações científicas em diversas revistas de várias partes do mundo.

 

Portanto, o tratamento tem sido de forma sintomática, ou seja não se procura combater o vírus propriamente dito, pois não há medicamento, mas sim os sintomas da doença. A cura vem pela resposta imunológica produzida pelo organismo da pessoa, ou seja, a produção natural de anticorpos que destroem o vírus. Isso tem confundido muitas pessoas e a mídia tem propagado formas milagrosas, que não há comprovação de que funcionem conta o vírus.

Portanto, não tomem qualquer medicamento sem prescrição médica, principalmente para a COVID-19. Eles podem complicar a sua saúde, te prejudicar e atrapalhar seu quadro clínico caso você seja infectado.

 

 

O que eu posso fazer para a minha saúde?

Primeiramente temos um Deus soberano. Confie no Senhor! Depois, mantenha seu corpo saudável. Procure ter uma alimentação equilibrada e ingerir bastante líquido. A atividade física também é importante nesse período, claro observando os limites que o confinamento nos impõe.

Outra coisa importante é o sono e o estresse. Procure dormir em horários regulares (no mesmo horário) e em períodos regulares (o mesmo tempo) de sono. A desregulação do sono pode fazer com que o organismo produza substâncias que atrapalham a sua resposta imunológica.

Estabeleça uma rotina diária com afazeres e descanso! Cuide de seu corpo que é templo do Espírito Santo (1 Coríntios 6:19,20). Esse cuidado só trará benefícios na possibilidade de uma infecção.

Evite assistir o noticiário de forma excessiva. Isso poderá aumentar o seu estresse pelas más notícias veiculadas. Pense que Deus está no controle e que tudo passará!

Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai. Filipenses 4:8

 

 

Eu já tenho anticorpos conta o COVID-19?

Não é verdade. Ninguém possui anticorpos contra um agente infeccioso antes de ter contato com ele. A partir do momento que um agente infeccioso nos infecta é que nosso sistema imunológico inicia a produção de anticorpos contra aquele agente infeccioso. O tempo e a eficiência dessa produção pode variar de pessoa para pessoa. Por isso, algumas pessoas tem sintomas e outras não. Em quem o organismo reagiu mais rapidamente tem menor carga viral, menos células afetadas e portanto menos sintomas.

 

Se eu me infectar logo eu vou produzir anticorpos e ficar imune?

Alguns tem defendido a liberação das pessoas da quarentena para elas possam se contaminar e produzir anticorpos, ou seja, liberar as pessoas para se infectarem e se tornarem imunes. Isso é falso no caso da COVID-19. Primeiro que ainda não sabemos muito a respeito da imunidade produzida pelas

 

pessoas que ficaram curadas, se podem se infectar novamente ou por quanto tempo vão estar imunes. Segundo é que nesse caso sempre algumas pessoas vão apresentar sintomas e esse número não é baixo no caso do coronavírus, principalmente num pais populoso como o Brasil. Essas pessoas vão necessitar de cuidados médicos e nosso sistema de saúde não conseguirá dar atendimento. Esse tipo de ação pode funcionar em casos de agentes infecciosos de baixa mortalidade e em populações menores. Talvez, em países cuja população é menor, essa ação tenha algum resultado, e também tem de estar associado ao sistema de saúde possuir capacidade de atendimento, que não é a realidade brasileira.

 

 

O que devo fazer?

Cuide de você e do seu próximo. O apóstolo Paulo escreve a Timóteo “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem.” 1 Timóteo 4:16

Evite sair de casa. Use a máscara ao sair de casa. Use o álcool 70%, sempre que tiver contato com superfícies, como no mercado, nos caixas eletrônicos, etc. Evite o contato social. Evite o toque  e proximidade física de outra pessoa, mesmo que ela não esteja com aparentes sintomas.

Saiba que todos teremos contato com o vírus, mais cedo ou mais tarde, estamos reduzindo o contato para diluir os infectados sintomáticos, para que não venhamos todos adoecer ao mesmo tempo, por causa da capacidade de atendimento do nosso sistema de saúde. Isso não anula a necessidade de cuidados, pelo contrário, reforça a necessidade de todos cuidados já divulgados pelos órgãos de saúde governamentais.

 

 

Cuide da sua saúde, mas cuide mais ainda de sua alma, da sua vida espiritual.

Sempre reclamamos que não tínhamos tempo para Deus, para ler a Bíblia e orar. Pronto! Deus criou essas condições. Elas estão postas! Nos deu a possibilidade de estarmos pertinho d’Ele nesse momento. Vamos estudar a palavra como nunca fizemos. Vamos usar esse tempo como retiro espiritual para fortalecimento de nossa vida com Deus.

É muito importante: ouçam seu pastores! Tenho a certeza de que eles estão se esforçando  para nesse momento de dificuldade trazer uma Palavra de conforto e orientação a você aí na sua  casa. As Igrejas estão se reinventando e vejo muitos crentes não valorizando o esforço de seu pastor e de sua Igreja.

A IPB tem um corpo de pastores maravilhoso, com formação muito sólida, bíblica, chamados por Deus para exercício do Ministério Pastoral, transmitindo ensinamentos bíblicos que vão trazer bênçãos para a sua vida. Não despreze isso! Não dê ouvidos a ensinamentos doutrinários duvidosos. A internet está cheia dessas ofertas, mas faço um apelo: Ouça o seu pastor. Não faz sentido algum nesse momento deixarmos a sã doutrina reformada de nossos pastores para assistir cultos ou estudos de denominações que trazem ensinamentos duvidosos ou contrários a Palavra de Deus.

 

Se você não tinha tempo e deixou de lado, restaure o culto doméstico com sua família. Ponha a sua família aos pés do Senhor, sob a graça e o ensino da palavra.

No sermão escatológico de Jesus em Lucas 21, Jesus menciona alguns sinais que antecederiam o início da grande tribulação, mas que ainda não seria o fim. Jesus ali menciona a epidemias como um dos sinais, mas também menciona os falsos ensinos e falsos profetas. As duas coisas nos matam, uma traz a morte física e mas a outra mata o espírito.

Espero ter contribuído com você e saiba que Deus cuida de nós: Cuida de mim, cuida de você e de sua família!

 

 

Deus nos abençoe ricamente!

 

Presb. Anderson Dias Cezar

Servo do Senhor, Ph. D. em Parasitologia, professor da Escola de Medicina da Universidade Estácio de Sá.

 

 

 

BIBLIOGRAFIA

BÍBLIA, Português. A Bíblia Sagrada: Antigo e Novo Testamento. Tradução de João Ferreira de

Almeida. Edição rev. e atualizada no Brasil. Brasília: Sociedade Bíblia do Brasil, 1969.

 

BIN, S. Y., et al. 2016. Environmental contamination and viral shedding in MERS patients during MERS-CoV outbreak in South Korea. Clin Infect Dis., 62(6):755-760.

 

KAMPF, G., et al. 2020. Persistence of coronaviruses on inanimate surfaces and their inactivation with biocidal agents. Journal of Hospital Infection,104: 246 – 251.

 

LIU, W. & LI, H. 2020. https://doi.org/10.26434/chemrxiv.11938173.v7.

 

ONG, S. W. X., et al. 2020. Air, Surface Environmental, and Personal Protective Equipment Contamination by Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2 (SARS-CoV-2) From a Symptomatic Patient. JAMA. 323(16):1610-1612.

 

PETIT, C. M., et al. 2005. Genetic analysis of the SARS-coronavirus spike glycoprotein functional domains involved in cell-surface expression and cell-to-cell fusion. Virology 341, 215– 230.

 

TANG, X., et al. 2020. On the origin and continuing evolution of SARS-CoV-2. National Science Review, nwaa036, https://doi.org/10.1093/nsr/nwaa036

 

WANG, D., et al. 2020. Clinical characteristics of 138 hospitalized patients with 2019 novel coronavirus-infected pneumonia inWuhan, China. JAMA. Published online February 7.

 

WHO. Coronavirus Disease 2019 (COVID-19). WHO; 2020. Situation Report 23.

 

WU. F., et al. 2020. A new coronavirus associated with human respiratory disease in China. Nature.

579: 265–269.