LUGAR DE GRATIDÃO


“... e, quebrando o alabastro, derramou o bálsamo sobre a cabeça de Jesus” Marcos 14.3

Acostumar-se com as bênçãos a ponto de considerá-las normais no pacote da vida, sem por elas agradecer, é uma postura aquém da vida cristã. Maria, irmã de Marta, nos ensina sobre gratidão. Sua expressão de gratidão a Jesus pela ressurreição de Lázaro é marcante. Jesus estava à mesa, na casa de Simão, quando Maria trouxe um vaso de alabastro, contendo quase meio litro de perfume, feito de nardo puro. Ela quebrou esse vaso, derramando todo esse caro perfume sobre a cabeça de Jesus, enxugando em seguida os pés do Mestre com seus cabelos.

Maria fez o que pôde. Dedicou a Jesus o seu melhor e o fez sacrificialmente. Aquele perfume foi avaliado em mais de trezentos denários (equivalente a quase um ano de trabalho), mas ela não reteve uma gota para si. Tudo era para o Mestre. Ela fez o seu melhor, apesar das críticas. Os discípulos indignaram-se contra ela, dizendo que aquilo era um desperdício. Murmuraram contra ela e a incomodaram.

A motivação de Maria, porém, era agradar ao Senhor e, por isso, não mediu esforços para dar a ele tudo quanto tinha. Maria ungiu o corpo de Jesus para a sepultura e esse gesto dela saiu do anonimato de uma pobre casa em Betânia para ser proclamado nos eirados da história, nos ouvidos do mundo. Nosso lar precisa ser o campo mais fértil da gratidão.