Fé, câncer e amor


Nicolas tem 3 anos e precisa de doadores de medula óssea

A descoberta, a alegria e a ansiedade que envolvem a espera de um filho é algo que permeia a mente e a vida de qualquer casal ou família que vivem o momento.

Na vida do Rev. Sauro Queiroz, pastor presbiteriano e de sua esposa, Danielle, não foi diferente. O casal recebeu o pequeno Nicolas como presente de Deus, e não imaginaria quanto do amor e do cuidado desse Deus seria revelado a eles, por meio das lutas e vitórias que alcançariam com esse filho.

Nicolas foi diagnosticado com leucemia linfóide aguda – tipo B em janeiro deste ano, aos dois anos de idade. “Percebemos que ele não estava mais curtindo tanto os passeios, estava um pouco mais passivo e não se alimentava muito bem. Como ele sempre deu trabalho para comer e sempre foi uma criança mais ‘pacata’, não associamos esses sintomas aos roxos (era tudo muito sutil) ”, conta Danielle.

Leucemia é o câncer das células que dão origem às células do sangue. Geralmente, ela é definida como o câncer dos glóbulos brancos, mas pode atingir outras células também. A leucemia tem origem na medula óssea (tutano) e dali passa para o sangue.

O tratamento do câncer pode ser feito através de cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou transplante de medula óssea. Em muitos casos, é necessário combinar mais de uma modalidade. “Desde o início do tratamento do Nicolas, Sauro e eu lemos, ouvimos e fomos consolados com a alta taxa de cura para o tipo de leucemia dele.  O tratamento apresentou ótimos resultados iniciais. Mas, no dia 22 de agosto, praticamente 6 meses depois de boas notícias, recebemos a informação de que a leucemia voltou. O baque foi grande. Assim como da primeira vez eu não estava preparada para essa”, conta Danielle.

Apesar do susto, a família, membros da Igreja Presbiteriana Chácara Primavera (Campinas - SP),  diz que enquanto a estatística não se mostra amigável, a fé permanece firme. “Cremos em um Deus que não segue estatísticas, cremos em um Deus de milagres”.

Nicolas começou no dia 29 de agosto um novo tratamento, com protocolo alemão, específico para casos de recidiva da doença. Inclui quimioterapia com doses mais fortes, que podem gerar maior queda de imunidade, mais internações, e efeitos mais acentuados na pós-quimioterapia (como vômitos).

Agora, o essencial para a completa cura do Nicolas é que, num primeiro momento, os quimioterápicos promovam remissão da doença em seu organismo, o que depende da reação do próprio corpo e, por isso, as orações ao Médico dos médicos têm sido constante. Além disso, com o fortalecimento do Nicolas, o tratamento inclui um transplante de medula óssea. É nessa etapa que Sauro e Danielle estão investindo seus pedidos de ajuda para doação. “Gostaríamos de convocar/convidar todos a fazerem o cadastro para doação de medula óssea no hemocentro de sua cidade”.

A doação não depende do tipo sanguíneo e também não é específica. É necessário fazer o cadastro e aguardar a compatibilidade do DNA dos envolvidos. A chance de encontrar um doador compatível é de 1 em 100 mil pessoas, e por isso se faz necessário o tão o maior número de pessoas cadastradas.

No site do INCA – Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva – há informações importantes para esse tipo de doação (www2.inca.gov.br).

Para saber mais sobre a história do Nicolas, colaborar doando medula óssea e compartilhar esse pedido em sua rede social, acesse www.ladodsite.wordpress.com ou curta a página “Lado D”, no Facebook, e participe dessa campanha em favor da família Queiroz. “Desde o início do tratamento, muitas pessoas nos procuram com solidariedade, colocando-se à disposição para nos ajudar. Para você que gostaria de nos ajudar de forma prática, meu pedido é: cadastre-se para doar medula óssea. Esse cadastro pode ser o responsável por salvar a vida do meu filho, ou de alguma outra pessoa que esteja na mesma situação que ele. Ore, divulgue e doe medula óssea, concluiu Danielle.